PARTO

Abra as fronteiras para mim,
ela disse, gritando
e do outro lado do mundo se fez ouvir.
Apesar de toda a confusão e ambiguidade
amor não é um ato de gratidão,
embora ela exigisse que fosse.
Embora soubéssemos que tudo seria mais fácil
se de fato fosse.
Mas a querência não é ato de realização, também.
Abra as fronteiras para mim,
ela continuou sussurrando
escondida nas esquinas em que viravam os anos
enquanto o outro lado fingia não ouvir.
Mas qualquer sussurro se faz mais intenso
do que todos os gritos do mundo
E nós sabíamos disso.
Abra suas fronteiras para mim,
porque um dia te abri as minhas.
Mas nós também sabíamos
que fronteiras imaginárias não podem
ser abertas ou fechadas
pela pura vontade ou
pelo puro querer.
Até mesmo porque
o muro que um dia separou Berlim
continuou erguido após 1989
mantendo os cachorros uivando
em lados opostos sem saber
que poderiam atravessar.
Derrube seus muros por mim,
ela disse
e eu continuei golpeando
e golpeando
o espaço vazio
sabendo que não derrubava
tijolo algum
embora pudéssemos ouvir
o barulho de dezenas deles
estralhançando-se no chão entre nós.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *